PrivacyTools - LGPD - Linkedin
Categorias
Blog

Anúncios do Facebook: como proteger a privacidade dos clientes

As redes sociais na atualidade são os meios de comunicação, e  principalmente de entretenimento, mais populares e presentes na rotina da  maioria das pessoas que têm acesso a internet, computadores e smartphones.  

São meios considerados informativos, de lazer, que geram uma conexão entre os amigos, família e conhecidos, e tornou-se um espaço para trabalho,  publicidade e e-commerce

Nas redes sociais, mais especificamente o Facebook, suas ferramentas  tornam as informações, dados, e de certa forma, privacidade dos usuários “expostas”, seja por opção dos próprios usuários (através dos termos de uso presentes no próprio cadastro, e durante as demais funcionalidades dos  atalhos), de forma indireta, no qual os mesmos “aceitam” os termos de  exposição, ou informações que os mesmos compartilham em suas páginas, mas não possuem completa noção dos dados que são, ou não, expostos e utilizados para a gerência da rede Facebook.  

É nítido que as ferramentas e funcionalidades que utilizam de dados e  privacidades das redes sociais não são expostas, não está claro para a maioria  dos usuários, normalmente não possuem a completa noção que estão inseridos  nesse meio, mesmo estejam disponíveis para conhecimento a qualquer clique.  

Esses dados e informações, funcionam como um filtro para a publicidade e  e-commerce, um filtro capaz de auxiliar a propaganda à atingir o público-alvo, e  consequentemente, geram mais resultados. Entretanto, existem pessoas e  empresas filiadas que não estão de acordo com essa “exposição”. 

Como proteger a privacidade dos clientes nos anúncios do Facebook? 

Na atualidade, a proteção da privacidade dos clientes tornou-se uma  obrigação para os profissionais do marketing, cada vez mais rigorosa. Com o  “Regulamento Geral da Proteção de Dados (RGPD)” há uma exigência para que os dados e informações privadas dos clientes sejam solicitados de maneira que  o mesmo aprove e esteja ciente da sua “exposição”, além de disponibilizar a  função de excluir os dados do cliente quando o mesmo solicitar. 

Dessa maneira, é um grande compromisso com a lei que as empresas possuem, mesmo que filiadas com o Facebook, no qual o mesmo expõe termos  de absorver e utilizar dados, sempre para gerar a autorização (ou não), dos usuários, que informam o que serão, e para que serão direcionados os dados  que os mesmos oferecem ao autorizar esses termos. 

Com isso, já é uma garantia estabelecida e autorizada pelos próprios usuários em utilizar seus dados para fins publicitários. Uma forma explicitamente visível para receber a autorização de utilização dos dados, é promover publicidades, benefícios e um tratamento personalizado, para usuários que cadastram-se (e autorizam a utilização dos seus dados para fins publicitários), com isso, os mesmos possuem a completa noção da sua  “privacidade exposta” e não sentem-se prejudicados e violados.  

Para garantir uma melhor e mais eficiente proteção dos dados dos  clientes, muitas empresas investem em softwares que possuem o foco em oferecer os mais variados serviços de programação, sendo a proteção dos dados dos clientes, um desses serviços. 

E por sua vez, garantem uma extrema  proteção e oferecem segurança para os usuários, e para própria empresa. Método popular, mais eficaz, e de maior qualidade, utilizado por muitas empresas na atualidade. 

Entretanto, quando trata-se da proteção da privacidade dos clientes nos  anúncios e publicidades do Facebook, o mesmo investiu recentemente em 2  categorias de serviços de proteção ao usuário. Sendo: 

  • 1°:  um aviso aos usuários sobre as possibilidades de configurações de privacidade;
  • 2°: é uma  proteção direcionada aos anúncios, no qual será possível apagar dados e  informações enviadas por outras empresas à empresa Facebook. 

Sempre  garantindo por parte das próprias empresas, e do próprio Facebook, que os  dados dos usuários estão em segurança.  

Por que o Facebook tornou-se um meio de comunicação que atinge o marketing? 

O marketing de forma independente, necessita da comunicação, afinal, a  comunicação é o principal elo entre a empresa/marca, e o seu público-alvo,  futuros consumidores. 

A comunicação é capaz de apresentar a marca, informar seus atributos, vantagens, benefícios, e informações, e através do mesmo, trabalhar aspectos psicológicos e subconscientes para impulsionar a necessidade, o desejo, o consumo. 

O Facebook, como já foi dito anteriormente, é um meio de comunicação  e entretenimento extremamente presente na rotina dos consumidores, visto que  os mesmos consomem essa plataforma diariamente. 

Segundo dados de uma  pesquisa apresentada no site “Folha de S.Paulo”, o Facebook possui cerca de  120 milhões de usuários ativos no Brasil, e 1,5 bilhão no restante do mundo, números que incluem 65% da população com 10 anos ou mais. 

Ou seja, é um canal de comunicação que tornou-se mais popular que a própria televisão,  possuindo um mar de opções para a publicidade e marketing das empresas.  

Com isso, conforme o mesmo iria crescendo e tornando-se cada vez mais  popular, as empresas notaram seu potencial, assim como o proprietário da  plataforma, Mark Zuckerberg. 

Sendo um meio de publicidade atrativo, eficaz e  interativo, além de ser benéfico para o próprio Facebook (pois tornou-se um  investimento para as empresas e marcas), é mais acessível e resulta em maiores lucros para os empresários e profissionais. 

Como funcionam o marketing e publicidade através dos anúncios do  Facebook? 

Primeiramente, é importante saber que existem as publicidades pagas, e  gratuitas. As publicidades gratuitas por sua vez, possuem o foco na própria  página (perfil), dedicado a marca/empresa, no qual a mesma tem livre espaço  para expor seus produtos, serviços, conteúdos e contatos para com seus clientes e públicos. 

Mas, todas as promoções, interações e posts, são feitos de forma  independente, ou seja, pela própria gestão dos profissionais que representam a  empresa. Além de deixar claro, que a página não é direcionada através de  dados, para essa funcionalidade, é necessário um investimento. 

 

Para as publicidades pagas, o Facebook possui ferramentas direcionadas  que são feitas através de um investimento, por parte da empresa que as solicitam. É nessa parte que os dados, informações e de certa forma, privacidade dos usuários, tornam-se “expostas” para a utilização no marketing dessas empresas.  

Os dados são recolhidos através de ferramentas do próprio Facebook (ou  mesmo que jogos, atalhos, avatares, entre outros), e informações (muitas vezes inseridas pelos próprios usuários, como localização, “likes”, grupos inseridos, posts e publicações salvas, entre outros), com isso, os usuários são organizados  como público-alvo das empresas inseridas na plataforma. 

Posteriormente, esses públicos são convertidos para receber anúncios,  publicidades, marketplaces (ofertas de lojistas e vendedores independentes), e  marketing no geral. 

Esse marketing tem como foco oferecer a publicidade da empresa conforme os dados e informações desses usuários, ou seja, oferecer  apenas o que for do interesse, gostos, procuras e “likes” desses usuários,  podendo resultar em um melhor impulsionamento em vendas e acessos para as  empresas e marcas. 

Esse conteúdo foi desenvolvido por Sabrina Costa, criadora de conteúdo na Agência Webtrends.