Sua estratégia de e-mail marketing visa a proteção de dados?

Em 2020, entrará em vigor a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), exigindo que as empresas passem a proteger os dados pessoais de seus clientes, colaboradores e fornecedores. Isso impactará nos setores de tecnologia, jurídico e marketing.

Neste último, a LGPD irá mudar a forma como se coletam informações dos usuários, como dados de navegação, hábitos de consumo, preferências e dados de contato. O e-mail marketing, por exemplo, só poderá ser enviado quando a pessoa ativamente autorizar o recebimento de informativos e conteúdos comerciais em sua caixa de entrada.

 

Nova forma de coletar e-mails

Essa autorização do usuário para receber newsletters e e-mails marketing precisa ser obtida no momento em que se pede o e-mail e outras formas de contato. A forma mais prática de fazer isso é colocar uma caixa de seleção ao final do formulário. Nessa caixa, o usuário seleciona se deseja receber conteúdos e quais tipos de e-mails deseja receber, se informativos, comerciais, etc.

A autorização para a coleta desses e-mails é fundamental para que sejam disparados os e-mails marketing e qualquer outra forma de comunicação. O usuário também deve ter o conhecimento de que pode impedir o envio quando quiser, cancelando a assinatura da newsletter e pedindo que seus dados sejam retirados da base de contatos da empresa.

 

Mais privacidade aos assinantes

Muitas plataformas de envio de e-mails não levam em consideração a privacidade dos dados dos assinantes. Elas usam pixels e links rastreáveis, por exemplo, para dizer exatamente quem abriu o e-mail e clicou em cada link presente na mensagem, sem que os usuários saibam disso. Esse tipo de ferramenta deve se adequar à LGPD deixando claro para as pessoas esse tipo de rastreamento.

Essa informação pode estar presente na Política de Privacidade, por exemplo, ou mesmo estar inserida no formulário quando o cliente registra seu e-mail para o recebimento de novidades. A solução para quem contrata esse tipo de plataforma é verificar se ela está em conformidade com as leis de proteção de dados e cobrar soluções nesse sentido, para evitar as penalidades do uso irregular de dados pessoais. Essas consequências negativas podem ser a suspensão dos dados, das atividades da empresa e até mesmo multas de 2% do faturamento.

Por mais que muitos afirmem que o e-mail marketing está morrendo, ele permanece sendo uma estratégia para diversas empresas se conectarem com seus clientes. Não é a LGPD que irá acabar com essa forma de comunicação, apenas irá mudar a forma com que as instituições usam os dados pessoais dos usuários e melhorar a transparência nessa relação.

Os profissionais de comunicação e vendas agora precisam se adaptar a uma nova realidade, em que o cliente precisa autorizar o recebimento de e-mails. Segundo o Hubspot, 51% dos profissionais de marketing europeus disseram esperar que a lista de contatos ficasse menor com a GDPR, a lei de proteção de dados do União Europeia. Essa, porém, é uma mudança positiva para que a base de contatos seja realmente qualificada e interessada no material, evitando que as empresas invistam ao enviar e-mails para pessoas desengajadas e que podem se incomodar com esse tipo de contato.